A partir de 2000>
Algumas publicações dos Poetas do Cultura Sul até o ano 1999

VICENCIO, Sara Ramirez. PEGADAS. Evangraf, Porto Alegre, 1999.

...Este livro saiu por insistência de amigos que perderam algumas poesias, ou reclamam não estar tão assídua nos jornais. O conjunto é harmonioso e carregado de sentimento. Em estilo leve e agradável, Sara nos conduz ao seu mundo... com sabor de "amoras madurtas". Esquecemos a selva quotidiana e banhamos a alma em "sangas" de saudade. Eloy Dias dos Angelos, editor

BARROS, Sarita Vicencio de. VERSO UNIVERSO REVERSO. Ponto Um, Porto Alegre, 1998.

... Quando Sarita Barros começou a frequentar a Oficina dos Poetas do Cultura Sul, me disse que escrever para ela era só uma espécie de brincadeira secreta, que não levava a sério essas coisas. Mas, eis que senão quando, de repente, não mais que de repente, os desprentenciosos poeminhas iniciais vão se tornando inesperadas elaborações gráficas. Um felino que cochilava embaixo da ele da senhora professora bem comportada, se espreguila, ronronando. Uau. Norma Vasconcellos (apresentação)

CAIXA DE POEMAS: Ernesto Wayne, 1998

(homenagem/ 1 ano de falecimento do Poeta)
Concepção: Cenarte - Urcamp/ Promoção: Cenarte-Urcamp e Secretaria Municipal de Cultura/ Apoio: Cultura Sul
" Os 12 poemas selecionados para esta edição são uma singela amostra da caudalosa, múltila e prodigiosa criação poética do autor. De forma alguma, esgotam sua volumosa produção inédita. São, tão somente, o patamar inicial de um velho sonho não realizado do grande Ernesto Wayne: ver suas obras completas publicadas e divulgadas por este mundo de Deus. Tarefa que ainda haveremos de cumprir com emoção e orgulho." Nota editorial.

Wayne, Ernesto. BAILE NA PONTE NA NOITE DE CHUVA. Cecom, FAt/FunBa, Bagé, 1996

"Este Baile - que se pretendia um romanceiro, a inconfidenciar canecagens- foi escrito há uns 15 anos, em Santa Maria, com acréscimos em 89, esichado para dar livro... O Berro D´Água do Jorge Amado, está no arranjo dos salões deste Baile. Mas o meu, ai, me saiu um berro de barro, um berro de borra, um berro de birra, um berro de burro. Ba, be, bi, bo, bu, que eu/ Faço versos assim/como quem zurra!" Ernesto Wayne

"Por esse empenho escatológico de vingar absurdos e gritar libertações. De permitir Deus estranho verso a dentro:" Elvira Nascimento

 

ALCALDE, Sonia; BARROS, Sarita Vicencio de. PAPOS E PONTOS, EDIURCAMP, Bagé, 1995

".. Este trabalho das duas é uma verdadeira cumplicidade. Cumplicidade supõe culpa. De qualquer maneira, alguém deve ser culpado de acender luz na escuridão, fazer refletir. Esse é um chamamento que o livro tem. Uma provocação bem inteligente. Nada de assuntos acabados, nem verdades definitivas. Não é um conselho para todos, nem cartas-testamento..." Waldir Alves Ramos (apresentação). "... O nosso cotidiano está presente em Papos e Pontos." Leila Guimarães (apresentação)`

 

Wayne, Ernesto. EXTRATO DE CONTA. Cecom, FAt/FunBa, Bagé, 1988

"... Lançada quando Ernesto Wayne está completando 40 oficiais anos de produção poétiuca, segundo artigo publicado, no jornal Correio do sul, or Augusto Cavalheiro ,que focalizava, em 7/09/48 suas inaugurações poéticas, a publicação de Extrato de Conta tem feitio também oficial. Patrocinada pela Prefeitura de Bagé, esta edição comemorativa traz uma proposta: devolver ordenadamente à comunicade o que sempre a ela pertenceu - a febre de criação de Ernesto Wayne. Perpetuar esta febre é confirmar e registrar, para a posteridade, o trabalho de um POETA MAIOR... Norma Vasconcellos (apresentação)

   

Wayne, Ernesto. OS OSSOS DO VENTO. Instituto Estadual do Livro e Grafosul, Porto Alegre, 1977.
"... um poeta com um traquejo invulgar do soneto. Pratica-o com maestria e não duvidamos que muitos parnasianos, até mesmo Bilac ou Raul de Leoni, assinariam muitos de seus sonetos, numa linguagem de recursos de quem conhece, realmente - e a fundo- os mistérios da língua." Jorge Medauar
"É nos sonetos que Ernesto Wayne revela toda a força de seu talento e até um virtuosismo de ressonância neoparnasiana... onde se atinge uma espécie de "fatalismo expressional", nenhuma palavra a mais ou a menos, cada qual no seu lugar." Celso Pedro Luft
 

 

Wayne, Ernesto R.C. . O Anjo Calavera. Of. Gráfica da Livraria do Globo, Porto Alegre, 1955.
"... aparenta-se com o diabo pelo poder de destruição e irreverência. Wayne acompanha a trajetória da Bíblia, desvendando, contudo, o que, na sua sua opinião, Deus não quis desvendar..." Donaldo Shüler

O livro, no dia mesmo de seu lançamento, foi convertido em raridade bibliográfica: o autor queimou todos os exemplares, tão ruins lhe pareceram os versos.

Publicações a partir de 2000>